Um texto, um concurso, uma roda. E duas mulheres.

Era uma vez duas mulheres. Terezinha e Cremilda, Cremilda e Terezinha. Nasceram em um tempo que as mulheres não tinham voz, não podiam ter opinião, muito menos sonhos. Elas não eram irmãs ou amigas, sequer conhecidas. A vida fez com que se esbarrassem de forma breve, anos e anos mais tarde. Mas tinham algo em … Continue lendo

Avalie isto: