Essa tal nova opinião (Crônica)

Essa tal nova Opinião

Karen Alvares

Cansei de Opiniões. Sim, “Opinião” com “O” maiúsculo.

Isso é porque agora todo mundo tem Opinião. Não é que no passado as pessoas não tivessem, elas tinham sim: em torno da mesa de jantar, em uma mesa de bar ou então em um banco de praça. E as pessoas terem opinião, com “o” minúsculo, é muito saudável. Faz o mundo crescer, as pessoas evoluírem, gera desenvolvimento, debate. Faz parte da democracia.

O problema não é opinião: é a Opinião. Aquela que as pessoas adquiriram no século XXI, com a internet e as redes sociais. As pessoas têm uma Opinião sobre tudo, tudo mesmo, que se possa imaginar. Todo mundo tem um posicionamento nos dias de hoje. Sobre qualquer coisa, até sobre coisas que não entendem. E aqueles que entendem – ou acham que entendem – falam com uma propriedade tão grande, quase como se fossem doutores supremos no assunto, especialistas imbatíveis, com um conhecimento inabalável, até mesmo incriticável.

E não é o bastante ter uma posição sobre um assunto; é preciso divulgá-la até a exaustão, até que a Opinião do Indivíduo seja inserida na cabeça do Todo como se espremessem várias peças de roupa dentro de uma mala de viagem. Mesmo sabendo que não cabe mais nada ali, que todas aquelas roupas são desnecessárias, até mesmo inúteis, que tudo aquilo nem mesmo vai entrar na mala já abarrotada.

É quase como se essa Opinião fosse esfregada no “mural” do próximo. Daqui do outro lado a gente até consegue ouvir o estalo do tapa na cara – e muitas vezes senti-lo. Porque é isso que aparentemente as pessoas precisam: vários e seguidos tapas na cara para “acordarem de suas vidinhas”. As pessoas precisam ser estapeadas com força, repetidas vezes, até o rosto ficar bem vermelho, e a cabeça muito cheia.

Então o que resta para aquele que não expressa sua Opinião? Com certeza é uma pessoa apática, malvista, que não se envolve em “causas”, que às vezes até pode não ter o coração no lugar certo. Não vale você pensar algo, ter a sua opinião, se você não divulgá-la aos quatro cantos, usando aqueles alto-falantes enormes. Uma pessoa assim não pode reclamar – como fazem as pessoas que têm Opinião – porque ela perdeu esse direito. Ela não faz nada, não divulga o que pensa, então não pode jamais reclamar ou se sentir ofendida.

E aqueles que têm opinião ou outra Opinião, que não a primeira? São tolos, na melhor das hipóteses. Merecem o desprezo, já que não pensam da mesma maneira – que é a verdade absolutíssima. São seres inferiores, talvez de segunda classe. Dignos de pena. Coitados. Idiotas. Ignorantes.

É por tudo isso que, em minha opinião, cansei dessa tal de Opinião. Essa nova Opinião: cruel, ríspida, seca, áspera, violenta. Quero de volta aquela velha opinião, aquela, você ainda se lembra dela? A tal que nos fazia debater entre um gole ou outro de um cafezinho saboroso, que nos fazia rir no final uma boa feijoada de domingo ao redor de uma farta mesa na hora do almoço.

Puro saudosismo, mas aquilo sim que eram bons tempos.

Crônica premiada com o 3º Lugar no Prêmio Sesc de Crônicas Rubem Braga – 2012 e originalmente publicada na antologia do Prêmio Sesc de Crônicas Rubem Braga – Edição 2012.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: