Um texto, um concurso, uma roda. E duas mulheres.

Era uma vez duas mulheres. Terezinha e Cremilda, Cremilda e Terezinha.

Nasceram em um tempo que as mulheres não tinham voz, não podiam ter opinião, muito menos sonhos. Elas não eram irmãs ou amigas, sequer conhecidas. A vida fez com que se esbarrassem de forma breve, anos e anos mais tarde. Mas tinham algo em comum: eram duas mulheres fortes e batalhadoras que, lá no fundo, escondiam suas opiniões vigorosas sobre o mundo.

Nunca faltou o que comer na casa de Terezinha, como faltou na de Cremilda, mas algumas vezes faltou compreensão. Não de Terezinha, que era mulher de coração enorme, apesar de pequenina; tinha amor para vários filhos, mas só pôde ter uma menina, e para ela dedicou todo seu carinho. Já Cremilda se virou em duas, em mil: foi mãe e pai, pai e mãe, de seis filhos. Dizia, com olhos sonhadores de mãe amorosa, que um deles seria artista.

Hoje Terezinha virou Terê. Cremilda virou Alves, sobrenome de solteira.

Dedico esse texto e esse prêmio a elas, minhas duas avós.

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, a UniBrasil promoveu o Concurso de Contos Dirce Doroti Merlin Clève, com a intenção de valorizar e incentivar a produção literária feminina. Do concurso participaram apenas mulheres, escritoras, quase cem. E dentre todas elas, tive a felicidade e a honra de ser a sexta de uma lista onde, segundo a organização, só existem vencedoras. O conto “O jogo do tempo” ganhou menção honrosa e certificado, mas só consigo pensar que ganhei também mais um degrau de reconhecimento em minha carreira como escritora. Eis o resultado: http://www.unibrasil.com.br/noticias/detalhes.asp?id_noticia=12411.

Mas, além e acima de tudo isso, ganhei amigos. Vocês conhecem aquela música dos Beatles que fala sobre “a pequena ajuda dos meus amigos?”. Pois é, essa não foi pequena, mas muito grande, e a eles dedico também essa menção honrosa: aos meus amigos da Roda de Escritores, escritores talentosos que apoiaram esse e tantos outros contos que são publicados, todos os dias, no site da Roda ou nas nuvens da internet, na Meta dos Cinco. Obrigada, amigos. Tenho certeza que da próxima vez estarei comemorando a conquista de um de vocês. E então mais outro, e mais outro, e mais outro… sem fim, pois a Roda não pode parar de girar! Conheçam a Roda e a Meta.

Um Feliz Dia Internacional da Mulher, a todas as Terezinhas e Cremildas, a todas as escritoras e a todas as mulheres que têm sonhos.

Karen Alvares (às vezes, Terê Alves)

contosresultado-1

LOGOminiBlog

Anúncios
Comments
2 Responses to “Um texto, um concurso, uma roda. E duas mulheres.”
  1. Franz Lima disse:

    Fico honrado em fazer parte da iniciativa “Meta dos Cinco” e mais honrado em conhecer uma escritora tão brilhante quanto você, Karen.
    Novos prêmios serão colhidos pelo grupo dos escritores do Roda de Escritores, pois combinamos a inspiração com a transpiração. Contra isso não há resistência.
    Parabéns.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: